Destaques

Notícias

Ulrich: Há muita música boa por aí

   13 de novembro de 2017     tags: entrevista, ulrich      Comentários



O baterista do Metallica, Lars Ulrich, participou do quadro "Music Ruined My Life" do programa "Rock Show With Daniel P. Carter" da BBC Radio 1. No segmento, que pode ser ouvido clicando aqui, Ulrich fala sobre as músicas que o inspiraram e mudaram sua vida.

Questionado se apresentar seu próprio programa de rádio, "It's Eletric!", mudou sua perspectiva de músicas novas que estão saindo, Ulrich respondeu: "Eu posso te dizer o que isso já fez - isso rejuvenesceu minha conexão com a música e meio que me reinspirou."

"Eu tenho sido bem aberto sobre isso: eu tenho um relacionamento de altos e baixos com a música há anos, pois há momentos em que eu fico muito inspirado por outras músicas, e então há momentos em que estou tão deprimido com o fato de que não há nada legal acontecendo", continuou.

"Na verdade, há muita música boa por aí. Essa é a notícia boa. A notícia ruim é que é tão difícil para a música boa se destacar das outras músicas que não são tão boas, por conta do óbvio desaparecimento da indústria da música."

"Eu me sento lá e encontro alguma banda, e eu amo essa música e eu a tocarei no programa, e ocasionalmente, eu vou até o YouTube ou algo assim e essa música em particular tem 1200 visualizações, e você apenas fica lá e pensa, 'isso deveria ter 1,2 milhão de visualizações, não 1200'. Digo, 1200 visualizações - essa é a família estendida dos membros da banda, entende? Então há muita música boa que, infelizmente, não tem penetração. Então isso é meio que o bom e o ruim de onde toda essa jornada nos levou. Mas há muita música boa. Muitas das coisas que eu toco... Muitas das ótimas bandas da Inglaterra, muitas das ótimas músicas que aparecem de todos os cantos do mundo. Então definitivamente há muitas coisas legais e inspiradoras por aí."

Ulrich também revelou que ele amaria ver uma turnê do Metallica com o Rage Against The Machine, se a banda decidir voltar a ativa de novo.

"Rage Against The Machine, para mim é... Eles não são apenas uma das minhas bandas favoritas de todos os tempo, eles não apenas fizeram... Provavelmente seus três primeiros discos são, eu acho, o essencial de um catálogo. Digo, isso é o máximo que se pode querer para os três primeiros discos", disse Ulrich. "E o Rage Against The Machine, eles são tão atemporais, e a maior parte disso é ainda mais revelante hoje do que há 20 anos."

"Quando você faz um turnê, você quer estar perto de bandas que te inspiram, você quer se animar e se inspirar e estar pronto para sair por aí", explicou. "Então fazer turnê com alguém que te inspira é algo bom. E o Rage Against The Machine me inspira, então tocar shows com eles seria muito legal. Nós tocamos alguns shows com eles no Lollapalooza em 1996, por aí; eles fizeram cerca de metade do Lollapalooza com a gente. Então já tocamos shows com eles."

"Vamos colocar desta forma: se eles voltarem, um das primeiras pessoas de quem eles ouvirão será eu falando, 'Ei, eu sou o baterista no bla bla bla. Talvez a gente possa fazer alguns shows juntos?'. Então veremos."

Fonte (em inglês): Blabbermouth.net

    Top

Metallica fala sobre as gravações do Master of Puppets

   13 de novembro de 2017     tags: vídeos, ulrich, hammett, hetfield, trujillo      Comentários

Como apresentador de seu próprio programa semanal, It's Eletric! na Apple Music, Lars Ulrich celebra o relançamento do álbum "Master of Puppets" em dois episódios especiais com convidados notáveis.

A série foi gravada durante a passagem da banda por Antwerp, Bélgica, onde Ulrich recebeu James Hetfield, Kirk Hammett e Robert Trujillo para conversarem sobre o disco "Master of Puppets", discutindo desde os primeiros riffs até as influências de Hetfield para as letras. Lars também recebeu o co-produtor Flemming Rasmussen e o responsável pela mixagem, Michael Wagener, para contar suas histórias do Swwet Silence Studio em Copenhagen.

A primeira parte está disponível na Apple Music clicando aqui. Já a segunda parte irá ao ar no domingo, 19 de Novembro.

Confira abaixo, em vídeo, parte da conversa.

    Top

Ulrich comenta: o que Cliff Burton pensaria sobre a banda se estivesse vivo?

   13 de novembro de 2017     tags: entrevista, ulrich      Comentários



Lars Ulrich conversou com a 92Y de Nova Iorque no dia 5 de novembro e durante o papo, perguntaram de quais músicas dos álbuns "Load", "ReLoad" e "Black Album" o saudoso Cliff Burton teria gostado: "Tenho uma resposta fácil: todas elas. Próxima!", respondeu Lars.

Depois ele prossegue: "Olha, é uma grande pergunta, eu realmente gostei. Uma coisa que sempre me intrigou foram as questões tipo 'e se isto não tivesse acontecido?'. E se Cliff ainda estivesse vivo? E se a Terra fosse plana ao invés de redonda? É meio tipo se você estivesse aqui no meu lugar e eu no seu, pois teríamos uma conversa totalmente diferente".

"Acho que existiria uma evolução", continua Lars, explicando o que teria acontecido se Cliff ainda estivesse na banda. "E, claro, a banda é formada pela soma de suas partes. Então se ele ainda estivesse conosco estes discos teriam algo de diferente. Mas é a mesma coisa que se perguntar como soaria o nosso álbum mais recente, 'Hardwired...' se Jason Newsted estivesse conosco, entende o que quero dizer? Não sou o cara que vai te dar uma resposta definitiva".

Ao final, Lars ainda conta que nunca teve medo que o Metallica encerrasse suas atividades após a morte de Cliff pois a banda nunca lidou com a tragédia pensando nisto como uma saída. "Nossas conversas eram no sentido de 'o quão rápido poderemos nos recompor?'. E percebemos que quanto mais rápido voltássemos à ativa, melhor conseguiríamos lidar com aquilo. E meio que sob a benção de Cliff que teria desejado assim. Sim, eu acho que Cliff iria querer que fizéssemos assim. Talvez tenhamos até discutido um pouco além da conta sobre o assunto na época, mas quando se têm 22 anos você não está preparado para lidar com uma merda destas".

Em outubro de 2006, James Hetfield disse ao jornal sueco Dagens Nyheter que Cliff ainda estava presente quando eles escreviam as músicas do então novo álbum ("Death Magnetic", que seria lançado em setembro de 2008): "Nós conversamos sobre o que Cliff pensaria e o que ele acrescentaria. E agora, especialmente com nosso novo baixista Rob (Trujillo) tocando tão energeticamente e com os dedos assim como Cliff, eu tenho um pressentimento de que ele gosta do que estamos fazendo."

Fonte: Whiplash!

    Top

Ulrich fala sobre uso de hologramas em shows

   12 de novembro de 2017     tags: entrevista, ulrich      Comentários



Tudo começou quando, em 2012, Snoop Dogg se apresentou no Coachella junto com um holograma de Tupac Shakur, e em seguida o Cirque Du Soleil mostrou uma versão holográfica de Michael Jackson. E recentemente foi anunciada a turnê mundial de um holograma de Ronnie James Dio ao lado de músicos de carne e osso que passaram pela sua banda de apoio.

E Lars Ulrich, baterista do Metallica, falou sobre a possibilidade de um dia a banda usar este recurso durante entrevista para a rádio 92Y de Nova Iorque, realizada no dia 5 de novembro de 2017.

"Por mais idiota que possa parecer, e pode parecer meio bobo eu exagerar, o que é um concerto? O que é música? O que é um espetáculo? Pra mim se trata de algo para conectar as pessoas, e é sobre compartilhar uma experiência juntos. E o que tentamos fazer quando saímos em turnê é romper as barreiras entre a plateia e a banda. É basicamente acabar com qualquer divisão que exista entre o público e o artista. E então eu fiquei pensando 'Quem sabe um dia'. Se o objetivo principal é juntar as pessoas para compartilhar uma experiência, por qual motivo precisam do Lars Ulrich, do James Hetfield, do Kirk Hammett ou do Robert Trujillo ali? Se você tem a música, o equipamento, as luzes, o vídeo, com o tempo vai exister uma versão ali onde os técnicos conseguirão fazer com que a inteligência artificial toque tudo que for preciso".

Depois, ao ser perguntado se gostaria de ser um holograma daqui a cem anos, Lars responde: "Não sei sobre os outros caras, mas pra mim quando acabar, acabou. Se houver um jeito de fazer que seja uma coisa legal e não apenas pra faturar uma grana... pois no fim das contas - e estou sendo sério sobre isto - quanto mais penso nesta coisa de música e Metallica... as pessoas perguntam: 'Como é estar no Metallica?' Mas é tipo, todos fazemos parte do Metallica. O Metallica é algo que existe no ar. Lars Ulrich não é dono do Metallica. James Hetfield não é dono do Metallica. O Metallica não é dono de si mesmo - o Metallica é algo que todos compartilhamos, que todos usamos para nos conectar. Acredito que a necessidade humana básica é se conectar com outras pessoas - nos esforçamos para isto de todo jeito possível. Então se houver uma maneira disto acontecer daqui a cem anos e eu for um holograma, pra mim está tudo bem."

Fonte: Whiplash!

    Top

Ulrich: Queremos que a música seja sempre pura e orgânica

   17 de maio de 2017     tags: entrevista, ulrich, vídeos      Comentários

O baterista do Metallica, Lars Ulrich, foi entrevistado pela rádio 98 Rock dos EUA durante a passagem da banda por Baltimore, Maryland, em 10 de Maio. VOcê pode assistir a conversa abaixo.

Falando sobre a pressão que o Metallica sente para manter sua base de fãs feliz toda vez que lança um novo álbum ou busca um novo desafio criativo, Ulrich disse: "Você precisa manter seus olhos abertos para o que está rolando ao seu redor, e nós quatro estamos conectados o suficientes com a realidade para meio que... Nós não estamos distantes ou desconectados a ponto de não sabermos, obviamente, o que está rolando ao nosso redor. Mas é uma linha tênue onde você tenta garantir que aquilo não influencia nas escolhas que está fazendo, tanto criativamente quanto em termos de shows que está tocando ou camisetas ou preços ou o que for."

"Nós agradecemos isso, nós amamos isso, nós obviamente somos abençoados, mas ao mesmo tempo, você também precisa se desligar o suficiente disso para que não seja algo que você se torna escravo", continuou. "Pois você não quer que as escolhas que está fazendo acabem se tornando artificial para tentar servir a sua base de fãs, pois eu acredito que no fim... Você serve a sua base de fãs ao ter a melhor mídia social que puder, ao aparecer na hora, ao fazer meet-and-greets, ao fazer entrevistas, ao tocar seus shows e ter camisetas legais e tudo isso, mas você quer garantir que a música, pelo menos, seja sempre pura e orgânica e uma extensão honesta de si próprio, pois isso é o que acredito que eles querem, e que eles querem que a música seja pura."

"Você conhece curling, onde eles jogam aquela coisa que parece um cinzeiro gigante ou algo assim, eles jogam pelo gelo, e então um monte de caras em frente ficam esfregando, para que o caminho da bola do curling, ou seja lá o nome disso, seja puro e natural. Isso é meio como eu vejo a música do Metallica; você quer que a música seja pura e não afetada por aquilo que as pessoas querem de você. Os caras na frente são os membros da banda tentando garantir que o caminho do Metallica seja o mais puro possível, e mais sem poluição possível e sem ser afetado por pensar demais ou tocar demais aquilo que as pessoas querem de você."



Fonte (em inglês): Blabbermouth.net

    Top

Bate papo entre Ulrich e Iggy Pop

   26 de abril de 2017     tags: vídeos, entrevista, ulrich, iggy pop      Comentários

Quando Iggy Pop abriu para o Metallica nos três shows que aconteceram na Cidade do México no último mês, o cantor se sentou com o baterista do Metallica, Lars Ulrich, para uma conversa que cobriu a amizade mútua deles com Lou Reed, além de tocar no mesmo local juntos, a gravadora que eles costumavam compartilhar (Elektra) e o artista Jean-Michel Basquiat, dentre outros tópicos. A conversa completa, em inglês, pode ser lida no site oficial da banda, clicando aqui, e alguns trechos da conversa, em vídeo, podem ser conferidos abaixo.






Fonte (em inglês): Blabbermouth.net

    Top

Andreas Kisser entrevista Ulrich e Trujillo para o programa Altas Horas

   16 de abril de 2017     tags: entrevista, vídeos, ulrich, trujillo      Comentários



O baterista do Metallica, Lars Ulrich, e o baixista Robert Trujillo foram entrevistados para a edição que foi exibida neste último sábado, 15 de Abril, do programa Altas Horas pelo guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser. Confira nos links abaixo.
- Entrevista com Lars Ulrich
- Entrevista com Robert Trujillo

    Top

Ulrich comenta sobre livros, discos e filmes que gosta

   30 de janeiro de 2017     tags: vídeos, ulrich, entrevista      Comentários

O baterista do Metallica, Lars Ulrich, participou do quadro "O que está na minha sacola?" da Amoeba Music, onde ele fala sobre alguns dos discos, livros e filmes que gosta. No vídeo abaixo, ele pode ser visto comprando na Amoeba em Hollywood, onde comenta sobre o livro "Born to Run" do Bruce Springsteen, além de discos do Radiohead e Deep Purple, dentre outros.


Fonte (em inglês): Blabbermouth.net

    Top

Ulrich explica sua falta de interesse em mostrar técnica

   28 de dezembro de 2016     tags: entrevista, ulrich      Comentários



Em uma nova entrevista com Chris Jericho do podcast "Talk Is Jericho", o baterista do Metallica, Lars Ulrich, falou sobre como ele se tornou a fundação do groove da banda, depois de perder interesse na maestria técnica e focar mais em melhorar suas habilidades em manter um tempo estável.

"Este tem sido meu modus operandi por boa parte da carreira do Metallica", disse Ulrich, que tem recebido muitas críticas durante os anos de pessoas que o acusam de ser um baterista ruim. No entanto, Lars admite que ele nem sempre se impressionou com bateristas que mantinham um tempo estável, mas não se exibiam.

"As coisas começaram tão rapidamente [no Metallica], e literalmente, meia hora depois que começamos, estávamos em São Francisco, e então Jonny Z [o antigo empresário do Metallica e dono da gravadora Megaforce] me ligou e estávamos na Costa Leste, e então estávamos fazendo um disco", relembrou. "Digo, as coisas se moveram tão rapidamente. E quando nós voltamos do 'Ride the Lightning', foi tipo, 'Uau!'. E tivemos um pouco de folga. Na época, um ou dois meses eram uma eternidade. Era tipo, 'O que eu farei agora por um mês inteiro?'. E então Kirk [Hammett, guitarrista do Metallica] voltou a ter aulas de guitarra com [Joe] Satriani. E eu voltei e pensei que eu poderia... Eu nunca realmente tive aulas. Eu só queria estar no Diamond head e no Motörhead. Foi tipo, 'Oh, você precisa aprender a tocar instrumentos?'. Digo, foi quase como um karaoke no começo. Eu só queria estar em uma banda de heavy metal de karaoke. Isso é o que [James] Hetfield [frontman do Metallica] e eu fizemos - nós apenas nos sentamos e tocamos juntos do Diamond Head. Então, de repente, foi tipo, 'Uau! Está se tornando real'. Não foi realmente planejado dessa forma. E então eu nunca realmente tive aulas. Então eu tive algumas aulas com um dos caras do Satriani, um cara super legal. E Kirk teve aulas, e nós estávamos meio que correndo atrás do tempo perdido. Então eu passei por um período que provavelmente culminou no álbum 'Justice' onde eu senti meio que obrigado a tentar mostrar habilidade."

Segundo Lars, parte da razão dele se sentir inseguro quanto as suas habilidades foi o aumento da competição de alguns de seus colegas.

"Ouça, quando você tem o Dave Lombardo [Slayer] e Charlie Benante [Anthrax] respirando nas suas costas, foi tipo, 'Ok, eu preciso...'. Eu tentei ir um pouco além e tentei fazer minha coisa própria e todas essas coisas loucas", disse ele. "Eu estava realmente me esforçando para colocar a bateria meio que no plano principal. E então, depois de tipo um ou dois anos disso, eu fiquei, tipo, 'Ok, sério? Apenas faça sua coisa. Se acalme. Apoie os riffs. Faça o que é melhor para a música'. Então desde eu acho que o final dos anos 80 - então eu acho que faz, tipo, 25 anos agora - a única coisa que realmente me interessa é fazer a melhor coisa para a música. E me sentar e fazer o four-on-the-floor, quando for preciso, isso é o que eu realmente amo fazer. E apenas poder fazer os riffs do James se destacarem e meio que dar vida a eles e fazer todo esse tipo de coisa. Eu apenas passei da fase onde eu simplesmente parei de me interessar em tentar fazer loucuras na bateria. É, tipo, deixe o Lombardo ser o Lombardo, e eu meio que farei minha própria coisa. Mas todo mundo passa por períodos desse tipo de coisa, e eu tirei isso do meu sistema bem cedo."

Fonte (em inglês): Blabbermouth.net

    Top

Ulrich pensa em fazer nova edição do Orion Music + More no futuro

   23 de dezembro de 2016     tags: orion music and more, entrevista, ulrich      Comentários



Durante conversa com a iHeartRadio, perguntaram a Lars Ulrich se o Metallica planeja em algum futuro não tão distante reviver o festival Orion Music + More, e o baterista respondeu: "Esperamos que sim. Meio que deixamos de lado o projeto quando passamos a nos dedicar ao disco ("Hardwired"). Mas acredito que vamos excursionar por anos promovendo o álbum, ao menos até 2019, eu imagino. Então tentaremos organizar outro Orion. Realizamos dois nos EUA, talvez a gente leve um pra Europa, Canadá ou México, pra variar um pouco".

O comentário de Lars vai de encontro ao que disse James Hetfield no final do ano passado, quando ele explicou que a banda perdeu "milhares de dólares" com cada edição do evento, e portanto não pensava em realizar mais nenhum deles.

A edição de junho de 2013 em Detroit levou ao menos 40 mil pessoas para o evento que contou com Metallica, Red Hot Chili Peppers, Deftones, Silversun Pickups, Rise Against e outros.

Fonte: Whiplash!

    Top


  Próximas >>>

Newsletter
Receba em seu e-mail as últimas notícias sobre Metallica:

Conecte-se

Facebook   Google+   Twitter   RSS   Fórum

© 1998-2017 Metallica Remains - Desde 13 de Janeiro de 1998 | Política de Privacidade