Metal Up Your Ass: Parte 4

Os primórdios do Metallica - 02/08/05

Por Bruno Sanchez

Em Fevereiro de 1983, já com Cliff Burton, a banda se mudou para uma casa em San Francisco localizada no bairro El Cerrito, bem próximo a Bay Area. Estranhamente Dave Mustaine não acompanhou os demais e preferiu morar na casa da avó do roadie Mark Whittaker, mais ou menos perto do local também. Apesar de bizarro, esse fato mostra claramente a divisão que já existia entre o guitarrista e os outros pelo duelo de egos.

-

A nova casa do Metallica rapidamente se converteu em um estúdio onde a banda escreveu mais algumas músicas e gravaram algumas reedições das antigas composições com Cliff no baixo. Para encontrar o clima perfeito, Lars concordou em cancelar todos os shows nesses primeiros meses de 1983, para que tivessem tempo suficiente de ensaios e jams, inclusive no novo material, composto com a ajuda de Cliff. O primeiro show com o novo baixista (e do Metallica no ano) só ocorreu em 5 de Março em um clube chamado The Stone em San Francisco – um dos locais preferidos do Metallica , diga-se de passagem, e um dos primeiros pontos de concentração dos fãs da banda. O setlist dessa noite contou com Hit The Lights , The Mechanix , Phantom Lord , Jump in The Fire , Motorbreath , No Remorse , Seek And Destroy , Anesthesia (sim, no primeiro show, o baixista já fez seu solo individual), Whiplash , Am I Evil? , The Prince , Blitzkrieg , um solo de Dave Mustaine e Metal Militia . Algumas imagens do famoso vídeo Cliff´Em All são da segunda apresentação, 19 de Março, no mesmo Stone.

Em janeiro daquele ano, Lars entrou em contato com o velho amigo, Brian Slagel, pedindo um adiantamento de 5.000 dólares para que a banda finalmente gravasse o seu primeiro álbum. O baterista queria um trabalho independente já que as propostas recebidas das gravadoras, até então, não eram interessantes ao futuro. Slagel não tinha a grana pois se atolou em dívidas nos últimos meses com a empolgação do Metal Massacre (aparentemente, ele sempre foi um péssimo administrador) e não poderia ajudar mais, a não ser indicando o nome de uma pessoa que talvez se interessasse no potencial dos californianos, seu nome era Johnny Zazula (ou Johnny Z como gosta de ser chamado), o proprietário de uma loja de discos do outro lado dos Estados Unidos, chamada Rock´n´Roll Heaven.

Johnny conhecera o Metallica alguns meses antes, quando um cliente chegou em sua loja com o No Life ´Til Leather e o Live Metal Up Your Ass nas mãos pedindo para ele ouvir aquele som. O empresário recebia pedidos assim todos os dias, especialmente porque as pessoas sabiam de seus contatos nas grandes gravadoras e o “empurrãozinho” que poderia dar. Mas aquele caso era diferente e pegou Mr. Zazula de surpresa com a sonoridade crua e pesada da demo.

Zazula começou a se interessar mais em saber quem eram aqueles caras da costa oeste e entrou em contato com o pessoal do Fanzine Metal Mania (lembra de onde Lars roubou o nome “ Metallica ”?) pedindo para que eles colocassem os integrantes em contato. Johnny também era um importante promotor de shows da Costa Leste e em breve traria o Venom para uma turnê nos EUA. Quem sabe ele não conseguisse os californianos como a banda certa de abertura? Enquanto isso, tentaria algum bom contato com uma gravadora.

Assim como aqui no Brasil existe a famosa rivalidade entre Rio e São Paulo, nos EUA também é notória a rixa entre a Costa Leste e a Costa Oeste do país e Brian Slagel nunca se conformou em perder uma banda tão promissora para um empresário do outro lado do continente. Um outro dono de uma pequena gravadora de Metal da Califórnia, Mike Varney da Shrapnel Records, também tentou algum contato com Lars Ulrich, mas nem a Metal Blade e nem a Shrapnel, conseguiram comprar a ambição e os sonhos ousados do jovem dinamarquês.

Lars, o “responsável” pelo grupo, ligou para Johnny e ambos conversaram durante bastante tempo. O baterista se empolgou com a idéia de abrir para uma banda grande como o Venom (James também era fanático pelos ingleses e não é raro encontrarmos antigas fotos com o vocalista/guitarrista ostentando a camiseta com a capa do Welcome to Hell ), mas o problema era que Johnny morava em Nova Jersey, do outro lado do país (onde os shows também aconteceriam) e o Metallica não tinha dinheiro suficiente para viajar até lá e fechar a parceria.

Em 16 de Março de 1983, antes da viagem, a banda gravou um registro simples com as músicas Whiplash e No Remorse em versões preliminares. Existem duas versões para essa demo: a primeira é que era uma forma de mostrar trabalho para Johnny e ter o contrato assinado com alguma grande gravadora sem muitas dúvidas sobre a qualidade das músicas novas. A segunda versão é que seria uma boa oportunidade de mostrar pela primeira vez as composições feitas, já com Cliff no baixo, e o salto de qualidade alcançado. Essa demo tocou com muito sucesso em uma rádio de San Francisco chamada KUSF FM durante os meses que se seguiram.

Após mais uma audição cuidadosa do No Life ´Til Leather e da nova Demo e certo de um bom negócio, Johnny concordou em mandar cerca de 1.500 dólares de adiantamento para James, Lars, Cliff, Dave e também o roadie, Mark Whittaker, para que eles alugassem um furgão, colocassem todo o equipamento dentro, enchessem o tanque e fossem para Nova Jersey. A viagem durou mais ou menos uma semana com os integrantes se revezando no volante, mas quase se transformou em tragédia quando um Dave Mustaine bêbado bateu o carro em um Jipe. Por sorte ninguém se machucou, mas aquela foi a gota d´água entre Mustaine e os demais integrantes: a oportunidade da vida e o guitarrista quase jogou tudo fora por seus excessos.

Sem um lugar para ficar, cansados e com fome, o Metallica chegou à Costa Leste e hospedou-se na casa de Johnny e sua esposa (a contenção de gastos era a palavra chave). Para cobrir as despesas de alimentação dos quatro novos moradores, o empresário deixava um aparelho de som ligado na calçada tocando o No Life ´Til Leather ininterruptamente durante todo o dia e vendia cópias em fitas cassete por 3 dólares cada.

Empolgado com a qualidade do Metallica após presenciar um primeiro ensaio, Johnny fechou a parceria para que eles abrissem os shows do Venom e enquanto isso, o promotor se comprometeu a oferecer o trabalho da banda para alguma grande gravadora.

Apesar de toda expectativa girando sobre o futuro, Johnny não conseguiu grandes opções de contrato, mesmo com toda a sua rede de amigos. O problema era o som da banda: muito cru, pesado e não tocaria nas principais FMs do país pela agressividade. As gravadoras estavam receosas da resposta que o Thrash Metal encontraria no mercado. Cansado de procurar em vão por uma boa proposta, o empresário tomou uma decisão drástica: pegou toda sua grana guardada com o lucro da loja, fundou sua própria gravadora - a Megaforce Records – e assinou com o Metallica como a primeira contratação.

Para que o investimento no novo ramo não resultasse em prejuízo, Johnny acompanhava atentamente cada show e ensaio da banda na Costa Leste e começou a se sentir desconfortável com a atitude de Dave Mustaine em relação aos demais. Mustaine estava sempre fora de controle, bêbado, drogado, displicente com as responsabilidades e prejudicava os shows de abertura do Venom . A situação era insustentável, mas até hoje, nem Johnny, nem os integrantes do Metallica e nem o próprio Mustaine revelaram qual foi o grande estopim na história. A verdade é que assim que chegaram em Nova Jersey, os integrantes já queriam Dave fora pelo acidente que aconteceu na viagem.

Ao mesmo tempo em que Lars e James queriam chutar Mustaine o mais rápido possível, o nosso roadie Mark trouxe algumas fitas de shows do Exodus (lembra deles?) para a Costa Leste e mostrou o material aos amigos. Eles rapidamente se lembraram de algumas apresentações que assistiram, em especial aquela onde a banda abriu para o Metallica no Metal Monday, mas não conseguiram se lembrar da cara do guitarrista. De qualquer forma, o material era muito bom.

A primeira coisa que todos notaram sobre Kirk, era o seu jeito europeu de tocar Heavy Metal: melódico (muito técnico) e rápido, diferente da maioria dos guitarristas norte-americanos que preferia riffs diretos, sem muitas firulas.

Kirk Lee Hammett nasceu em 18 de Novembro de 1962, filho de mãe filipina e pai comerciante de produtos marinhos. Kirk teve o primeiro contato com o Rock através de seus irmãos e primos, em especial seu irmão Rick e uma grande coleção de discos de nomes como Jimi Hendrix , UFO e Led Zeppelin . O pequeno Hammett cresceu querendo ser um novo Hendrix ou Santana.

Kirk começou a aprender guitarra com 15 anos de idade e um de seus primeiros professores foi ninguém menos que o mago careca Joe Satriani (que também voltaria a lhe dar aulas de aperfeiçoamento anos depois, com Kirk já no Metallica ). O problema é que no começo, Hammett não tinha muita coordenação motora e Joe tentou convence-lo de que essa coisa de música não era sua praia. O futuro guitarrista se enfureceu e começou uma dedicação de mais de 12 horas diárias no instrumento. Em questão de meses, através de seu esforço, o futuro integrante do Metallica virou um autodidata no assunto.

No começo dos anos 80, Kirk comprou sua primeira Fender Stratocaster, a guitarra de seus sonhos, e se tornou um verdadeiro fanático em busca do som perfeito. O guitarrista costumava desmontar todos os seus instrumentos, misturando as partes para ver qual combinação soaria melhor até que comprou uma Gibson Flying V e a busca terminou. Para comprar um amplificador melhor (um Marshall), Kirk também trampou por um tempo em um Burger King de San Francisco. Nessa mesma época, ele fundou o Exodus com o finado vocalista Paul Baloff.

Exatamente no dia 1º de Abril de 1983, Mark ligou para Kirk explicando a situação sobre Dave Mustaine e perguntando se ele estaria interessado na vaga. O guitarrista se lembrava claramente do Metallica , a primeira banda da Bay Area a explodir e fazer sucesso no outro lado do país, por isso achou que a ligação era apenas uma brincadeira do Dia da Mentira (sim, eles também têm isso por lá), disse algo do tipo “Ok, tudo bem” e desligou xingando o roadie. No dia seguinte, o próprio Lars ligou novamente e disse que a proposta era séria e urgente. Kirk não podia acreditar na sorte que batia em sua porta e torrou todas as suas economias comprando uma passagem aérea de San Francisco para Nova Jersey, onde a banda estava.

O último show do Metallica com Dave Mustaine ocorreu no L´amours em Nova York em 9 de Abril de 1983 com o Venom e o Vandenberg . Pouco depois da apresentação, James, Lars e Cliff decidiram quem iria informar Mustaine que ele estava demitido. Cliff acabara de entrar na banda, Lars temia a reação violenta do guitarrista, portanto sobrou para James Hetfield a comunicação do fato. Sem muita enrolação, James apenas disse que todos pensaram muito e as coisas não poderiam mais continuar desta forma: Dave estava fora.

O guitarrista, pra variar totalmente bêbado, demorou cerca de 10 minutos para arrumar suas coisas e foi colocado em um ônibus de volta para San Francisco. Reza a lenda que Mustaine passou a viagem inteira inconsciente após o último porre e só acordou (entenda-se “percebeu o que tinha acontecido”) em casa.

A saída de Dave Mustaine do Metallica é um dos capítulos mais polêmicos da história da banda e até hoje gera repercussão. Quem assistiu ao DVD Some Kind of Monster deve se lembrar da cena clássica em que o guitarrista discute com Lars Ulrich as conseqüências de sua saída e o quanto isso representou nas décadas seguintes.

Muito magoado, Dave formou o Megadeth em San Francisco alguns meses depois jurando que iria ofuscar o sucesso do seus ex-colegas e deu diversas entrevistas alfinetando James e Lars e ainda acusando Kirk de roubar indevidamente todos os seus solos naquelas primeiras músicas da banda.

A novela Metallica X Megadeth ainda gera muita polêmica e volta e meia, nos deparamos com declarações de Dave Mustaine, ora malhando a banda, ora pedindo desculpas e reconhecendo seus erros no passado.

Finalmente, em 14 de Abril, Kirk chegou à Nova Jersey e fez seu primeiro ensaio com a banda. Durante a audição, Lars, James e Cliff riam sem parar e Kirk começou a achar tudo aquilo muito estranho “será que eles pensam que sou engraçado? Ou eles sempre são pessoas felizes?” pensou o guitarrista em uma entrevista alguns anos depois. Mas a verdade é que todos adoraram a garra e a melodia que o cara trazia às composições do Metallica e ele foi aprovado sem maiores enrolações ou contratos (ao contrário da entrada de Rob Trujillo na banda há alguns anos, por exemplo).

O guitarrista não teve muito tempo para tirar as músicas pois eles já estavam em meio a uma série importantíssima de shows, afinal a turnê com o Venom continuava a todo vapor. O primeiro show de Kirk com o Metallica aconteceu dois dias depois de sua chegada, em 16 de Abril de 1983 no Showplace em Nova Jersey.

Enquanto não tocavam nos shows da Costa Leste ou ensaiavam as novas composições para a gravação do primeiro álbum, a banda aproveitava para freqüentar bares e lojas de Rock de Nova York. Foi então que os integrantes do Metallica conheceram futuros grandes amigos que, mais tarde, também se tornariam famosos na cena Thrash: o Anthrax .

Scott Ian, Dan Spitz, Neil Turbin, Danny Lilker e Charlie Benante – a formação do Anthrax na época – conheciam bem cada beco de Nova York e Nova Jersey, afinal cresceram na região, e também conheciam Zazula, por onde chegaram até o pessoal do Metallica, os “perdidos na cidade”. Vale lembrar, aliás, que os primeiro álbuns do Anthrax também saíram pela Megaforce Records.

O Anthrax era uma das únicas bandas da Costa Leste que tocava um som mais voltado ao Thrash Metal, por isso não é de se estranhar que as duas bandas se dessem tão bem. Os laços de amizade eram muito fortes e os integrantes sempre eram vistos juntos, nos mesmos shows e nas mesmas festas.

A relação cresceu ainda mais quando o Metallica teve de sair da casa dos Zazula e foi morar em um prédio apelidado “The Music Building”, onde também ensaiavam e dividiam um estúdio improvisado com os caras.

O lugar era horrível: um antigo edifício comercial sujo e sem água quente, mas funcionava muito bem como um local de ensaios e, quando a banda precisava de alguma coisa, os integrantes do Anthrax sempre davam um jeito de ajudar. O guitarrista Scott Ian chegou a emprestar um forno elétrico e uma pequena geladeira para que James e os demais pudessem preparar o almoço já que dinheiro era uma coisa rara naquele momento.

O Metallica ganhava nome também na Costa Leste e finalmente se preparava de verdade para a gravação do primeiro trabalho de estúdio. No capítulo final desta matéria, a gravação e o lançamento do Kill´Em All.

[ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ]



Newsletter
Receba em seu e-mail as últimas notícias sobre Metallica:

Conecte-se

Facebook   Google+   Twitter   RSS   Fórum

© 1998-2019 Metallica Remains - Desde 13 de Janeiro de 1998 | Política de Privacidade