Discurso em homenagem ao Black Sabbath

13/03/2006

Discurso realizado durante a cerimônia em homenagem a entrada do Black Sabbath no Rock And Roll Hall Of Fame de 2006.

Lars Ulrich: "Deixe-me começar dizendo que, se minha matemática estiver boa, nós celebraremos o Black Sabbath nesta noite uma década mais ou menos atrasado, mas essa é outra história e outro argumento.

Enfim, eu penso quantas vezes nesta mesma noite nos últimos 20 anos as palavras 'Se não fossem vocês, nós não estaríamos aqui' foram pronunciadas. Bem, aqui vamos nós de novo. Bill, Geezer, Ozzy e Tony, se não fossem vocêss, não estaríamos aqui. Obviamente se não existisse o Black Sabbath, não haveria o Metallica. Se não houvesse o Black Sabbath, o rock pesado e o heavy metal como conhecemos hoje seria, soaria e pareceria muito, muito diferente. Então se não houvesse Black Sabbath, eu poderia possivelmente ainda ser um entregador de jornal - nada legal, nada legal. Então obrigado por se encontrarem, se conhecerem, e obrigado por formarem uma banda para que eu tivesse algo relevante e importante para fazer nesta noite de segunda-feira de 2006.

Durante os últimos 20 anos, talentos notáveis foram louvados nesta noite especial - talentos cujos nomes definiram e definirão para sempre o amplo termo 'rock and roll'. Então é interessante para mim como poucos desses nomes são sinônimos de um subgêsnero particular da música. E como alguém que tem lutado contra os rótulos em qualquer oportunidade dada, eu não só reconheço mas também grito de cima de todos os telhados que o Black Sabbath é e sempre será sinônimo do termo 'heavy metal'.

Sabbath se juntou aquilo que eu considero como uma pequena lista de artistas que podem se dizer sinônimos de seu gênero musical específico - sendo o Bob Marley com o reggae, Bob Dylan com o folk, Johnny Cash com o country, talvez Bill Haley com o rockabilly, mas não importa o quanto vocês tenta, quando diz 'heavy metal', as palavras Black Sabbath surgem das sombras lutando pelo primeiro lugar. Em qualquer dia, o gêsnero do heavy metal poderá ser legendado como 'música derivada do Black Sabbath'. Claro, nós todos respeitamos Blue Cheer, amamos Led Zeppelin, referenciamos Deep Purple e, lógico, admiramos Steppenwold e a primeira vez que John Kay disse as palavras 'heavy metal', mas quando falamos sobre definir um gêsnero dentre o mundo da música pesada, Sabbath diz por si só. Eles pegaram elementos já existentes do blues, rock e soul, juntaram a quantia certa de trevas e credos populares, e fundiram esses elementos com um antes desconhecido fator 'X' - seja lá o que for isso - criando algo nunca ouvido ou experimentado, único e totalmente inovador com suas grandes canções sobre destruição. Black Sabbath é uma entidade por si só - em minha mente, a única palavra que encaixa é a palavra 'pioneira'. Eles foram, e mais importante, ainda são considerados pioneiros em todas as coisas pesadas. Todas as bandas de metal e os chamados subgêsneros do metal ainda traçam sua linhagem a um lugar: quatro caras no final de sua juventude da cidade de Birmingham que deram o nome a sua banda depois do filme de terror italiano de 1963 estrelado por Boris Karloff. Subsequentemente eles mudaram o rock pesado e ao fazerem isso, a família inteira do metal e tudo que o metal, para melhor ou pior, simboliza, foi e será sempre tanto avigorado quanto elevado.

Eles estão tomando nosso lugar? A pergunta 'eles estão tomando nosso lugar?' ainda bate em minha mente. É 1986 e nós fomos sortudos o suficientes para conseguir o super-desejado posto de banda de abertura da turnês 'Ultimate Sin' do Ozzy. Nós, quando tínhamos a chance de fazer passagem de som, várias vezes começávamos a tocar várias músicas do Sabbath - seja 'Symptom of the Universe', 'Fairies Wear Boots', 'Sweet Leaf', ou o que vocês pensar. Apararentemente, quando o som abençoado de nossa tentativa humilde atingiu o camarim de Ozzy, sua primeira reação - me contaram - foi, 'eles estão tomando nosso lugar?'. E mais tarde fomos ameaçados que, se de fato estivéssemos 'tomando o lugar', nós receberíamos o último dos - algo que eu não estava familiar na época - chamados 'aperto de mão de Birmingham', que eu posso só imaginar o terror. Então agora eu posso responder a pergunta de Ozzy cara a cara. Não, Ozzy, nós não estávamos tomando o lugar. Nós éramos só quatro crianças ranhentas em nossa primeira vez na grande liga esperando que uma das pessoas chaves - que seria vocês, Ozzy - responsável por nos trazer àquela passagem de som, àquele palco, naquela turnês, nos honraria em um momento em que os planetas se alinhariam espontaneamente, se juntando a nós no palco e cantaria as letras da música, essa mesma música que mudou nossas vidas para sempre, a música que foi diretamente responsável por nós não estarmos somente na passagem de som, naquele palco, naquela turnês, mas sim a música que é diretamente responsável por nós estarmos aqui esta noite celebrando seus trinfos. E agora, nós estamos honrados de sermos os escolhidos entre milhares as bandas que vocêss deram a luz na hora de homenagearmos vocêss, Black Sabbath, e introduzí-los ao Rock And Roll Hall Of Fame esta noite, mais um menos uma década atrasado. E com isso, Bill, Geezer, Ozzy e Tony, eu os saúdo com muito amor, respeito, apreciação e gratidão. Obrigado."

James Hetfield: "Black Sabbath é riffs mamutes com letras ameaçadoras que me fazem tão feliz. Esse era pra ser meu discurso - foi isso - mas Springsteen meio que aumentou as coisas ano passado. Eu vou um pouco mais fundo. Imaginem um menino de nove anos - quieto, bem comportado por fora, mas por dentro fervendo e morrendo para ter uma vida para viver intensamente com alguma coisa - qualquer coisa - de estímulo e a descoberta da música foi o que fez isso acontecer. Mas não qualquer música. Isto foi mais do que só música - um poderoso, alto, pesado som que moveu sua alma. Então, este tímido de 9 anos frequentemente pegava a coleção de discos de seu irmão mais velho, e indo contra a vontade do irmão mais velho, tocava esses discos sem limites no toca-discos proibido. E dentre todos os discos que ele poderia ter tocado direto, não havia outra opção - no momento em que viu as capas dos álbuns mais antigos, ele sabia que eles o ofereceriam uma viagem diferente. Ele foi levado a eles como um imã a um metal... É bem tosco, sim. Ok, vou tentar de novo. Mais como um garoto tímido levado a sua própria voz alta. Aqueles riffs monstruosos moraram dentro dele e falaram os sentimentos que ele nunca conseguia colocar em palavras, enviando arrepios de inspiração através dele, daquelas letras sombrias e acordes fora-de-lei e tudo mais. Eles ajudaram a quebrar o escudo em que ele estava dentro. Também, assustar sua mãe e irmã foi um bônus extra. E agora, enquanto este ex-menino de 9 anos fala pra vocêss aqui, como um músico adulto - eu sei que estas duas palavras não vão juntas - eu percebi que sem seu som característico, como meu amigo Lars disse, não haveria Metallica, especialmente com um James Hetfield. Eu nunca soube de banda mais eterna e influente. Eles espalharam sua doença maravilhosa através de geraçções de músicos. Eles são sempre listados como influência pelas banda pesadas de hoje. Eles são amados e altamente respeitados como pais da música pesada. É realmente um sonho que se torna verdade e uma extrema honra para mim e para o menino de nove anos ainda mora dentro de mim introduzir ao Rock And Roll Hall Of Fame um grupo de músicos tão significante. E nas palavras de nosso corajoso líder Ozzy Osbourne, Let's go fucking crazy!'"



Newsletter
Receba em seu e-mail as últimas notícias sobre Metallica:

Conecte-se

Facebook   Google+   Twitter   RSS   Fórum

© 1998-2019 Metallica Remains - Desde 13 de Janeiro de 1998 | Política de Privacidade